Religião é produto da evolução do cérebro.

by

A religião é um “produto” da evolução do cérebro humano, de modo que a idéia de Deus, assim como os comportamentos religiosos, encontram seu fundamento no mundo real no qual o cérebro é predisposto a funcionar. A tese é do pesquisador americano Pascal Boyler, que publicou seu artigo na revista científica Nature.

Boyler, que é professor do departamento de Psicologia e Antropologia da Universidade Washington, detalha em sua pesquisa que formas cognitivas predispõem o homem a praticar a fé religiosa.

Por exemplo, a tendência a criar imagens imateriais e a ver Deus como uma figura antropomórfica é explicada pelo hábito infantil de criar figuras semelhantes às reais em sua imaginação – aos moldes dos amigos imaginários.

O pesquisador descreve que também os rituais religiosos seriam comportamentos padrão do cérebro humano, comportamentos estereotipados e repetitivos como os que ocorrem em distúrbios obsessivo-compulsivos, nos quais o fiel assume obrigações por sua crença, mesmo que não traga efeitos reais.

Uma outra característica do cérebro humano que pode explicar alguns aspectos da religião, segundo Boyer, é a tendência a socializar, a tecer coalizões que vão além das relações de parentesco. Essa inclinação à vida em grupo cria a comunidade religiosa, que cria para si as regras próprias de cada crença.

Segundo Boyer, não será descoberto o “circuito do pensamento religioso” ou os “genes da fé”, mas constatamos que “a religião é um produto da nossa evolução”.

– Um dia encontraremos as provas para demonstrar que nossa inata propensão ao pensamento religioso deriva do fato de que nossos antepassados tiravam disso uma vantagem evolutiva – declarou o pesquisador. – Pensamentos religiosos parecem ser uma propriedade emergente de nossa capacidade cognitiva padrão. As informações são da Ansa.

Fonte: O Globo

 

8 Respostas to “Religião é produto da evolução do cérebro.”

  1. kibom33 Says:

    Havíamos prometido uma matéria sobre segurança pública, no entanto por se tratar da área jurídica nossa “musa” Keila resolver tirar uns dias com o namorado e nos deixou na mão, vamos aguardar.

  2. Ivan Carlos Says:

    Realmente, a realidade do “só-absoluto” e do “só-acompanhado”, direciona aquelas pessoas à procura de algo que venha suprir tais carências. Seria válido, já que a solidão é um problema grave, acarretando distúrbios psíquico-somáticos que são as causas de muitas enfermidades.
    A religião tem o poder de integrar o indivíduo de corpo e “alma”, diferentemente de clubes e outras associações de cunho meramente sociais (sic). Entretanto, com o passar do tempo, suas conseqüências não serão menos graves. A liberdade pregada em nome de Deus, reverte-se em uma verdadeira “prisão” emocional; a razão dá lugar à “cegueira” intelectual; o mundo passa a ser um lugar de simples passagem, à espera do que “um dia virá”; e assim, nesse estágio psicológico, tornam-se presas fáceis para exploração, que apesar de tudo, é o mal menor. O pior, que mentem para si mesmos, às vezes por uma vida inteira; pois, eu não conheço nenhum religioso contemporâneo, que guarde no seu coração e pratique na sociedade, aquilo que lhe foi proposto através das escrituras.

    Parabéns pela matéria.

  3. Kibom33 Says:

    Ivan Carlos

    Verifique sua caixa de e-mail

  4. AmadeusXIII Says:

    eu não conheço nenhum religioso contemporâneo, que guarde no seu coração e pratique na sociedade, aquilo que lhe foi proposto através das escrituras.

    Ainda bem, caso contrário não existiria nenhum homossexual vivo. Teríamos pais apedrejando filhos beberrões e maníacos à espreita para matar quem vai trabalhar aos sábados…

    A evolução do deus tribal Iave para o deus de amor dos cristãos, só reforça o que diz o seu artigo.

    Parabéns 😉

  5. Kibom33 Says:

    Obrigado Amadeus pela sua visita.

    Teria mesmo que ter alguma explicação científica para a “fogueira das paixões.” 😀

  6. ivancarlos Says:

    Kibom,

    Vacilo… valeu!!!

  7. Ivan Carlos Says:

    Amadeus,

    Concordo plenamente com seu comentário. Entretanto, sempre que tenho oportunidade, eu tento demonstrar a essas pessoas, a vida miserável e sem rumo que elas escolheram, sem precisar dizer isso claramente.
    Quando demonstro a hipocrisia de seus discursos, ofereço-lhes a possibilidade de reflexão, e assim, concluírem por si mesmas, o “barco furado” em que estão navegando: uma vida inteira de erros e auto-cobranças, segundo suas próprias crenças. Que “vidão”, hein??

  8. AmadeusXIII Says:

    Por isso achei a frase da Campanha da BHA excelente. Convidar à reflexão é tudo que podemos fazer pelos religiosos. O resto é com eles.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


<span>%d</span> blogueiros gostam disto: